ACESSE

Trabalho presencial na Caixa expôs servidora cujos pais morreram de Covid-19, diz sindicato

Telegram

A política de trabalho presencial adotada pela Caixa durante a pandemia da Covid-19 está no centro de uma crise causada pela morte dos pais de uma servidora do banco, relata a Veja.

De acordo com a Associação de Pessoal da Caixa Econômica Federal, que representa os funcionários do banco estatal, José Ariston Nogueira de Lima, de 69 anos, e sua mulher Francisca Vieira Lima, de 64 anos, morreram com diferença de 14 horas entre a noite de terça (4) e a manhã de quarta (5).

Ariston trabalhava na Caixa em Brasília, assim como três filhas dele. Segundo o sindicato, uma das filhas do casal teria sido exposta ao coronavírus após não obter autorização para trabalho remoto no banco. Ela pegou Covid-19 e transmitiu a doença aos demais familiares.

“A tristeza só é superada pela indignação com o sentimento de que se tratava de uma morte que poderia ser evitada”, registrou a entidade em uma carta.

Ontem, conforme publicamos, a Caixa decidiu suspender o plano de retorno gradual ao trabalho presencial dos funcionários de sua rede de agências e do prédio-sede.

 

Leia mais: Sócios no desastre: a responsabilidade dos governadores na pandemia. Clique aqui para ler mais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 38 comentários