Traição: algo que criminosos não toleram

A matança no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, no Amazonas, é resultado de uma rixa entre a FDN e o PCC que fermenta, pelo menos, desde junho do ano passado.

O estopim foi a ação do PCC para recrutar membros da FDN e, assim, fortalecer sua presença no Norte do país e disputar um pedaço do lucrativo negócio de intermediação da cocaína colombiana e peruana para a Europa.

As trocas de mensagens entre líderes da FDN, interceptadas pela Polícia Federal, mostram que a facção estava disposta a eliminar seus adversários dentro e fora dos presídios da região.

Uma mostra do que viria foi a chacina de 38 pessoas ligadas ao PCC, entre 17 e 20 de julho, em Manaus.

Faça o primeiro comentário