Avião com candidato ao governo de Goiás apresenta problemas durante o pouso

Um avião que levava o deputado e candidato ao governo de Goiás pelo MDB, Daniel Vilela, apresentou problemas durante o pouso em Itapaci, interior do estado, na manhã de hoje.

O trem de pouso teria quebrado e uma das asas acabou atingindo o solo, danificando a hélice, segundo o Correio Braziliense.

Ninguém se feriu.

Reprodução/TV Anhanguera

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Maria disse:

    theintercept.com/2018/07/09/familia-de-politicos-de-goias-opera-voos-piratas-e-parlamentares-gastaram-dinheiro-publico-nela/

Ler comentários
  1. PAULO disse:

    regra de ouro na aviação...pilotovelho-aviao novo, este aí de 1972 !

  2. ana disse:

    O PT-LJN deu PT! Bolsonaro voa de vôo comercial. Ele pode!

  3. Maria disse:

    Candidatissimo de Alexandre Baldy. Ou, Milton Lyra.

  4. Maria disse:

    As fotos da campanha de Vilela com Baldy em Aparecida do Oeste são pura montagem. Lembrei-me do fotógrafo de Lula. Como é mesmo o nome dele?

  5. PAULO disse:

    caro, pesquise ai na tua terra a quem pertence a VOAR TAXI AEREO LTDA CPF/CNPJ: 3386638000109 UF: GO

  6. MARCO disse:

    Os advogados do deputado apontaram demora da PF em concluir a investigação, ausência de um relatório sobre o caso e falta de depoimento de uma testemunha para detalhar os pagamentos.

  7. PAULO disse:

    voce é de GO? pesquise ai pra nos quem é o dono,VOAR TAXI AEREO LTDA CPF/CNPJ: 3386638000109 UF: GO

  8. Vittorio disse:

    Político nem prá cair direito serve !

  9. Marcus disse:

    É isso que dá... Para sobrar uma grana dos recursos de campanha no bolso do cndidato, contratam um Taxi Aereo meio boca e o avião cai. Politico é uma Lerda....sempre querendo levar vantagem

  10. MARCO disse:

    Toffoli recentemente arquivou investigação sobre o deputado atendendo à pedido da PGR, que entendeu haver somente suspeita de omissão na prestação de contas de campanha e não do crime de corrupção.

  11. MARCO disse:

    A PGR considerou que o caso não se enquadra nos novos critérios de manutenção do foro privilegiado. Toffoli voltou atrás na decisão de remeter o caso à primeira instância.

  12. GUSTAVO disse:

    da onde sai esses jatinhos isso me intriga