TRF-4 nega recurso de Cabral no caso do Comperj

O TRF-4 negou por unanimidade recurso contra a condenação de Sérgio Cabral a 14 anos e dois meses de prisão no caso do Comperj, informa o G1 RS.

O ex-governador do Rio foi condenado por se envolver no pagamento de propinas em contrato da Petrobras com o Consórcio Terraplanagem Complexo Petroquímico, formado pelas empreiteiras Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão.

A defesa havia entrado com o recurso de embargos de declaração. Em sua manifestação, Leandro Paulsen considerou o pedido “protelatório”.

Cabral está preso em Bangu 8 e já foi condenado, no total, a penas que chegam a cem anos de prisão.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. luizs disse:

    Fique tranquilo cabral. 100 anos passam rapidinho.

Ler comentários
  1. Cariocas hipócritas disse:

    Lula, Cabral e cia, conseguiram roubar tanto, a ponto de falir o tal COMPERJ. Hoje, no RJ, há incontáveis engenheiros, técnicos, dentre outras cargos especializados, trabalhando na Uber. Desemprego.

  2. Cabral pode ficar feliz. Não há porque ficar trist disse:

    O seu partidos, a FACÇÃO CRIMINOSA do PMDB não o expulsou. Nem a ele e nem a Cunha. O crime continua organizado e protegendo os seus.

  3. Alberto disse:

    Cabral é um Lula carioca. O sujeito não tem mais nenhuma chance de alegar inocência, foi denunciado com provas por seus CÚMPLICES, mas por apego ao 💰 não tenta uma delação como confesso.

  4. Brasil disse:

    E, parece que vai ficar só nele. Plass já conseguiu pagar a fiança de 90 milhões para se livrar da prisão. Lauro Jardim.

  5. Júnior disse:

    DEPRIMENTE! Acaba de chegar ao fórum do RJ doente e amparado o o velho e grande jornalista Sérgio Cabral pai do filho ladrão.

    1. Se fosse “grande”, não teria criado um monstro!

  6. Ricardo R. disse:

    Cabral faça um bem ao Brasil, sua situação parece só ter um jeito, procure o MP e entregue tudo que sabe sobre o judiciário, uma mega delação premiada que seja necessário convocar até o exército.