ACESSE

Trinta anos depois, Collor pede "perdão" por confisco da poupança

Telegram

Com atraso de três décadas, Fernando Collor usou o Twitter para pedir “perdão” pelo confisco da poupança, realizado em 1990, pouco depois da posse do então presidente.

“Acreditei que aquelas medidas radicais eram o caminho certo. Infelizmente, errei. Gostaria de pedir perdão a todas aquelas pessoas que foram prejudicadas pelo bloqueio dos ativos”, tuitou Collor.

“Era uma decisão dificílima. Mas resolvi assumir o risco. Sabia que arriscava ali perder a minha popularidade e até mesmo a Presidência, mas eliminar a hiperinflação era o objetivo central do meu governo e também do país. […] Eu e a minha equipe não víamos alternativa viável naquele início de 1990. Quisemos muito acertar. Nosso objetivo sempre foi o bem do Brasil e dos brasileiros.”

Pobre Collor.

Leia também: Bolsonaro, sobre a PF: "Vou interferir. Ponto final"

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 93 comentários