Triplo X da propina

Zwi Skornicki disse ao juiz Sergio Moro que uma parte da propina destinada ao PT foi paga a uma empresa chamada Zama e a dois políticos, cujos nomes não foram revelados.

A Zama Consult e a Zama International Global aparecem nos Panama Papers. As duas empresas de fachada foram criadas pela Mossack Fonseca e têm base na Suíça.