ACESSE

TSE nega dar comando do PROS a grupo dissidente

Telegram

Luís Roberto Barroso negou um pedido do ex-secretário de comunicação do PROS Marcus Holanda para destituir oficialmente do comando do partido Eurípedes Júnior.

Na condição de ministro do TSE, ele afirmou que, neste caso, não cabe à Justiça Eleitoral mediar a disputa pelo controle da legenda, que deve ser resolvida na Justiça comum.

O grupo de Holanda acusa Eurípedes de falsidade ideológica, lançamento de candidaturas falsas e desvio de recursos de campanha e do fundo partidário para lazer pessoal.

Barroso entendeu que o racha interno não interfere no processo eleitoral, citando três ações que tramitam em varas cíveis de Brasília sobre o caso.

“Evidente que o autor busca, por via inadequada, efetivar-se na direção nacional do partido, sem que o juízo competente tenha se pronunciado sobre a validade dos atos que conduziram à designação da comissão provisória”, escreveu na decisão.

Ex-mulher acusa dono do PROS de desvios e alerta para risco de fuga

Leia também: Bolsonaro, o presidente refém.