Tudo junto e misturado

No interrogatório de Lula, ficou claro que funcionários do Instituto Lula são usados para atividades da empresa de palestras LILS, num confusão de funções que se estende à gestão financeira.

***

Delegado da Polícia Federal:- É, pode ser Paulo André, Paulo André já é um nome…

Declarante:- Paulo André, Paulo André é um menino que trabalha com o Paulo Okamotto.

Delegado da Polícia Federal:- Isto.

Declarante:- Ele é um menino que cuida da infraestrutura, das viagens, de hotéis.

Delegado da Polícia Federal:- Relacionadas ao Instituto Lula?

Declarante:- Instituto Lula.

Delegado da Polícia Federal:- Com palestras?

Declarante:- Não, palestras não, infraestrutura de viagens minhas, se eu for para Brasília é o Paulo André que cuida de avião, se eu for para um hotel é o Paulo André que cuida do hotel, é isso que ele faz.

Delegado da Polícia Federal:- Sempre com recursos do Instituto Lula ou da LILS?

Declarante:- Sempre com recursos do Instituto Lula ou da LILS, depende de quem vai fazer o evento.

Delegado da Polícia Federal:- Ele então é o seu secretário?

Declarante:- Não, ele trabalha para o instituto.

Delegado da Polícia Federal:- E por que ele presta serviços para LILS?

Declarante:- Ele não presta serviços para LILS.

Delegado da Polícia Federal:- É que o senhor acabou de dizer que quando o senhor vai fazer uma palestra ele que marca…

Declarante:- Ele não presta serviço pra LILS, ele presta serviço para o instituto.

Delegado da Polícia Federal:- Mas o senhor vai fazer uma palestra pela LILS, o senhor disse que ele que marca…

Declarante:- Quando eu vou fazer uma palestra pela LILS, o instituto, Clara Ant ou qualquer diretor é que cuida disso.

Delegado da Polícia Federal:- Então o Instituto Lula cuida das suas palestras também?

Declarante:- De algumas, de algumas.

Delegado da Polícia Federal:- E a receita dessas palestras vai para o instituto ou para a LILS?

Declarante:- Ela fica na LILS e vai ser utilizada quando todas as empresas que vocês estão destruindo nesse país não puderem contribuir mais financeiramente, o dinheiro vai ser utilizado para manter o instituto.

Delegado da Polícia Federal:- Então os mesmos tesoureiros, pessoas que trabalham para o Instituto Lula também prestam serviços para a LILS?

Declarante:- Eles não prestam serviços para a LILS. Deixa eu lhe falar uma coisa, a LILS é uma empresa que foi criada apenas para dar norma jurídica às palestras que eu faço, quando alguém quer contratar a LILS alguém liga diretamente lá para o Instituto, liga para mim, liga para o Paulo, liga pra Clara, liga para todo mundo, certo? Eu montei o escritório da LILS para cumprir norma jurídica, só isso.

Delegado da Polícia Federal:- Ele funciona na mesma sede do instituto?

Declarante:- Não.

Delegado da Polícia Federal:- Qual é a sede dele?

Declarante:- Não, ele não tem sede, na verdade eu coloquei o endereço no apartamento meu para receber correspondência, mas chega…

Delegado da Polícia Federal:- E quem trata dessas palestras, trata dos valores que devem ser contribuídos, quem faz tudo isso?

Declarante:- As pessoas, quando mandam carta, as pessoas mandam carta diretamente para o instituto, para a LILS via instituto.

Delegado da Polícia Federal:- E quem faz essa operação, o secretariado do senhor, vê a sua agenda “Olha, vou fazer”.

Declarante:- Tem agenda minha no instituto…

Delegado da Polícia Federal:- Quem faz isso?

Declarante:- O Marco Aurélio faz minha agenda, a Clara Ant cuida da minha agenda, é a diretora responsável de cuidar de todas as minhas atividades sindicais, políticas, do instituto, tudo passa…

Delegado da Polícia Federal:- E o Paulo André também?

Declarante:- Tudo passa pela mão dela. O Paulo André é apenas a questão de infraestrutura, “Ah, preciso alugar num quarto num hotel”, “Preciso alugar um avião”, precisa fazer outra coisa é com o Paulo André.

Delegado da Polícia Federal:- Certo. E com relação às doações, ele também fazia contato com empresas?

Declarante:- Não, não. Eu não acredito, porque ele é um funcionário do instituto.

Delegado da Polícia Federal:- Ainda é?

Declarante:- Eu não acredito porque ele é um funcionário do instituto, ele não cuida dessas coisas.

Delegado da Polícia Federal:- Ou seja, ele ainda é funcionário do instituto?

Declarante:- Deve ser, é funcionário sim.

Delegado da Polícia Federal:- Hoje é ele…

Declarante:- Ele trabalha diretamente ligado ao Paulo Okamotto.

Delegado da Polícia Federal:- Certo.

Faça o primeiro comentário