Tudo que não é essencial

“O programa de desestatização de São Paulo é um projeto pioneiro em âmbito municipal”, disse à Folha o secretário de desestatização, Wilson Poit.

“Todo município do país pode seguir o nosso caminho.”

O secretário entende, segundo o jornal, que o poder público deve priorizar seus gastos em saúde, educação, segurança, habitação e assistência social, deixando tudo que não é essencial para a iniciativa privada administrar.

Bravatas à parte, é um entendimento correto.

Comentários

  • marcelo -

    Então aceleraaaaa....pauu na máquina! Tá demorando demais essas tais de privatização do Dória. E corrigindo o sr. Wilson.... é segurança saúde e EDUCACAO .....qual partido você esta filiado mesmo!!? Esse pessoal me mata viuu...cada uum fala o que quer e depois sobra para todos que efetivamente ajudaram a construir o novo30. Cadê o Felipe Sabará!? SAMPA ta cheia de mendicância drogada espalhando lixo por tudo que é lugar.. Não consegue fazer o Dória ser mais incisivo com vagabundos!!? Cai fora. Abandone este governo safado que só esta enganando.

  • demagogia -

    este papo de saude, educacao e habitacao é conversa pois eu ja pago isso para empresa privada - put.a demagogia, Estado bom é o nao Estado.

  • Lauro -

    Linha 4 do Metrô Paulista é a única que foi "privatizada". Coincidentemente foi a única que funcionou normalmente na última greve. . Claro que o Sindicato dos Metroviários não quer que esse modelo se espalhe pelas outras linhas. . Não há nada pior que grevista que não aceita que seu colega queira trabalhar e o impede fisicamente de entrar na empresa.

Ler 29 comentários