Um estágio superior de roubo

Não é só o esquema de Sérgio Cabral com os empresários de ônibus que demonstra como políticos brasileiros alcançaram um estágio superior de roubo.

A Folha noticia que, “ao lado de valores milionários e nomes de políticos dos mais variados partidos, supermercados. Planilhas de pagamentos do frigorífico JBS listam diversos redes varejistas pelo país como fontes de pagamentos em dinheiro vivo para campanhas eleitorais”.

Roubar diretamente dos cidadãos, sem a intermediação de impostos ou caixa 2 de campanha: como é que ninguém havia pensado nisso antes?