Um eufemismo para “propina”

A delegada que conduziu o interrogatório de Gilberto Carvalho, o homem de Lula, perguntou-lhe o significado de um registro na agenda de Mauro Marcondes, o lobista amigo de Lula que comprou a Medida Provisória assinada por Lula.

O registro dizia:

“Café: Gilberto Carvalho”.

A PF estava em dúvida se aquele “café” se referia a um encontro com Gilberto Carvalho ou a um “cafezinho, um eufemismo para propina”.

Gilberto Carvalho foi esclarecedor.

Segundo a Folha de S. Paulo, ele demonstrou que, na data indicada na agenda, estava em missão oficial em Roma. Naquele dia, portanto, não se encontrou com o lobista amigo de Lula.

A delegada deve ter concluído que, se o “café” não foi um encontro, só pode ter sido um “cafezinho”.

O famigerado “CAFEZINHO”


Faça o primeiro comentário