Um membro do Hezbollah na sede do governo paulista

O xeique xiita Bilal Mohsen Wehbe esteve entre os convidados de um evento realizado na terça-feira passada (17) no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, informa a Veja.

Libanês naturalizado brasileiro, Wehbe se tornou o principal nome do grupo terrorista Hezbollah na América do Sul, depois que Mohsen Rabbani foi obrigado a fugir da Argentina, acusado de ter sido o arquiteto do atentado contra a sede da Associação Mutual Argentina, em 1994, em Buenos Aires.

“Wehbe foi bem prestigiado. Ele ganhou o primeiro assento da lateral esquerda da mesa que tinha o governador Márcio França (PSB) na cabeceira. Depois, ele posou todo pimpão para as fotos com autoridades, inclusive com o próprio governador.”

Procurado, o governo alegou que “a comitiva foi definida pela Associação dos Empresários Libaneses do Brasil, sem qualquer interferência do Palácio dos Bandeirantes”.

A entidade é presidida por Issam Sidom, que também compareceu à solenidade.

A revista acrescenta:

“O nome de Wehbe está na lista de pessoas sancionadas pelo governo dos Estados Unidos por financiamento e suporte ao terrorismo desde 2010. O libanês foi identificado pelo Departamento dos Tesouro americano como sendo um dos principais nomes do Hezbollah em atividade na região da Tríplice Fronteira (formada pelo Brasil, Argentina e Paraguai). Depois de ter enfrentado problemas legais no Paraguai, Wehbe se mudou para São Paulo, onde comanda uma mesquita localizada no bairro do Brás e vive sem ser incomodado.”

Comentários

  • Francisco -

    Na saída do menchevista Alckmin, deixou o bolchevique do Márcio França. Quem disse, que as coisas não podem piorar.

  • Geraldo -

    Vale lembrar que foi esse xeique que denunciou que grupos terroristas sunitas estavam se instalando no Brasil pra tentar converter as pessoas ao islamismo, e isso foi confirmado com aquele grupo de paquistaneses que entraram pelo Maranhão tentando doutrinar as pessoas. esse grupo veio com a conversa fiada de que estão fazendo turismo, mas começaram por um estado miserável, depois foram para o Piauí e estão descendo por outros estados nordestino. Ainda bem que o nordestino é muito apegado aos "Padim Cíço", já que se esse grupo entrar nas favelas do Rio e SP acharão um bando de malandros pra serem convertidos.

  • josé -

    Inclusive ele foi investigado em Foz do Iguaçu pela Polícia Federal do Brasil e a Interpol dos EEUU e resolveu ir a São Paulo para dar um tempo. e enquanto isso outro Sírio Libanês ficou em seu lugar para tratar de assuntos do grupo na Tríplice Fronteira.

Ler 167 comentários