Um pacote de R$ 1 milhão e uma gentileza a Padilha

Veja teve acesso ao vídeo que José Yunes, amigo e ex-assessor de Michel Temer, gravou em depoimento para a Procuradoria-Geral da República.

No vídeo, Yunes confirma que recebeu um pacote do doleiro Lúcio Funaro em seu escritório em São Paulo –mas disse não saber que havia R$ 1 milhão nele.

Foi um favor para Eliseu Padilha, alegou. “Pelo relacionamento que tenho, ele [o ministro] pediu essa gentileza para mim.”

Yunes afirmou ainda que só depois passou a saber “quem é essa figura do Lúcio Funaro”. “É uma pessoa que jamais eu poderia ter qualquer convívio.”

Em fevereiro, quando a história foi divulgada pela primeira vez, o ministro de Temer alegou não conhecer o doleiro.

13 comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200

  1. Se alguem lhe repassar um pacote em um aeroporto no exterior, sem lhe contar o que tem dentro, e voce trouxer o pacote para o Brasil, e a policia aqui descobre que o pacote contem drogas, voce sera preso na mesma hora por trafico internacional de drogas, mesmo que realmente nao tenha visto o que tinha dentro do pacote.
    Porque repassar pacote de propinas tambem nao gera prisao inafiancavel?

  2. Querem limpar o Brasil ? Vamos à lista de vítimas possíveis : Lula, Dirceu, Temer, Jucá, Padilha, Eunício, Gilmar Mendes, Moreira Franco, Renan Calheiros, Aécio, Marco Aurélio, Meirelles, Sarnei. A lista é bem grande e ainda não inclui assessores diretos. O país estaria bem mais leve se esses gat.unos não existissem ou se sumissem do mapa. Espero que tenham muitos castigos eternos após morrerem, pois são responsáveis indiretos pelo sofrimento e morte de tantos brasileiros nos sistemas de saúde, educação e segurança.

  3. É impressionante a quantidade de eufemismos usados pelos bandidos para se referirem à propina. Passou por presente, ajuda, colaboração, agrado, dezenas de outros. Neste caso, o pateta usou “gentileza”.

    1. É prá Receita Federal não desconfiar, o Leão só pega os assalariados e os que pagam imposto, gêneros alimentícios, gasolina etc. na base de 25 a 39%. E os políticos fazem loas à Inconfidência Mineira que achou o quinto (20%) um absurdo.