Um PGR terrivelmente evangélico

Augusto Aras foi o único candidato à PGR a assinar carta da Associação Nacional de Juristas Evangélicos.

“Na lista dos itens defendidos pela associação”, diz o Estadão, “estão a manutenção dos símbolos religiosos em repartições públicas, monumentos públicos com conotação religiosa, feriados religiosos e a menção a Deus no preâmbulo do texto constitucional.

Para a entidade, o Ministério Público deve ter sua atuação limitada às funções institucionais, evitando condutas ‘personalistas’ em operações como a Lava Jato – ideia já exposta por Aras.”

A carta diz também que “a instituição familiar deve ser preservada como heterossexual e monogâmica.”

Isso tudo tem um custo, claro:

“A entidade pede comprometimento do procurador-geral com o ‘mandamento’ de que as igrejas ‘são imunes à cobrança de tributos e assim devem permanecer’”.

Comentários

  • Marcelo -

    A ideologia faz parte da conduta humana, é mais fácil separar do que unir, afinal, o ser humano é um ego, acontece que o cargo de procurador deve primar por isenção às paixões e fidelidade à L

  • Jose -

    os caras vendem a alma ao diabo.... por 10 tostões

  • Robert -

    Tínhamos um governo ateu que so fez m e r da.Agora ,temos um governo "evangélico facista," que em nome de Jesus, defende corruptos e incapazes e vai acabar de afundar o Brasil.O Edir Macedo apoi

Ler 40 comentários