UM PRÉ-SAL DE PROPINAS

Em seu despacho, Sérgio Moro também cita trecho da denúncia do MPF que aponta o pagamento de R$ 252,5 milhões em propinas em 21 contratos de afretamento de sondas para exploração do pré-sal, por meio da Sete Brasil.

A propina foi fixada em 0,9% sobre o valor total dos contratos: R$ 28 bilhões. Coube à Odebrecht, seis sondas negociadas com o Estaleiro Enseada do Paraguaçu.

Isso explica por que Antonio Palocci ficou enlouquecido quando Pedro Barusco, ao firmar acordo de delação, entregou à Lava Jato US$ 96 milhões que estavam escondidos em contas secretas ligadas a offshores.

Esse dinheiro não era só de Barusco.

Faça o primeiro comentário