Uma saída de mentirinha?

Telegram

Guilherme Campos deixou o comando dos Correios na última sexta-feira, para tentar a reeleição como deputado federal por São Paulo.

O Antagonista sabe, no entanto, que Guilherme não sai da sala da Presidência da estatal. Esteve por lá todos os dias nesta semana.

Na terça-feira, participou de reunião da diretoria da empresa. Sentou, inclusive, na cabeceira da mesa, deixando seu substituto de lado.

Leia também:

Correios: mais um patrocínio, antes de apagar a luz

Comentários

  • Paulo -

    Da mesma forma o vice-presidente de finanças Francisco Esquef, apadrinhado da família Garotinho e demitido por suspeita de falcatruas, permanece nos gabinetes da empresa, em particular no do vice-presidente de operações Miguel Martinho, onde acerta o esquema com a Azul. Mais um rombo a caminho...

  • Cosme -

    esse tem pedigree , é adorado por clientes dos correios, principalmente pequenos empresários que mandam vendas pelo correio que viram seus custos aumentar muito mais que a inflação, chegando até a receber processos por aumentos abusivos que acho que não deram em nada, adoradíssimo, basta dizer que comandava os correios, tá eleito

  • CArlos -

    Querem fazer política tem que renunciar ao cargo. O Fernando Haddad, por exemplo, esteve afastado durante 10 anos fazendo política e voltou a dar suas aulinhas na USP. Um absurdo, o dono da vaga é ele? A USP deve explicações à sociedade! O problema do Brasil é a legislação. Quer mudar o pais tem que mudar a legislação. A prisão em segunda instância é um exemplo típico. Tem bolsa presidiário ( a vítima tem que pagar o caixão), dimenor cometendo crime hediondo que não pode ser preso, assassino respondendo em liberdade, é uma farra total!

Ler 12 comentários