Urgente: carta da Pfizer a Bolsonaro foi enviada a Mourão, Guedes, Pazuello e Braga Netto; leia a íntegra

Oferta da farmacêutica foi ignorada por todos; CPI da Covid vê omissão coletiva
Urgente: carta da Pfizer a Bolsonaro foi enviada a Mourão, Guedes, Pazuello e Braga Netto; leia a íntegra
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Em 12 de setembro de 2020, o CEO da Pfizer, Albert Bourla, enviou a Jair Bolsonaro uma carta oferecendo sua vacina. No texto, ele diz que a farmacêutica acabara de fechar contrato com os EUA e que queria priorizar, na sequência, o Brasil. Mas pediu celeridade.

“Quero fazer todos os esforços possíveis para garantir que doses de nossa futura vacina sejam reservadas para a população brasileira, porém celeridade é crucial devido à alta demanda de outros países e ao número limitado de doses em 2020”, escreveu.

O documento foi encaminhado também ao vice-presidente, Hamilton Mourão, e aos ministros Eduardo Pazuello, Paulo Guedes e Braga Netto. O embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster, recebeu uma cópia.

Não houve resposta.

Em seu depoimento à CPI da Covid, Fabio Wajngarten disse que foi informado da carta dois meses depois, por meio do dono da Rede TV!, Marcelo de Carvalho — uma apresentadora do canal é casada com funcionário da Pfizer. Foi quando o secretário de Comunicação entrou em cena.

Wajngarten entregou o documento à comissão. Senadores ouvidos por O Antagonista acreditam em “omissão geral e deliberada” da cúpula do governo e avaliam convocar todos os citados.

Leia abaixo os principais trechos (Aqui a íntegra):

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO