Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Urgente: CCJ aprova recondução de Augusto Aras à PGR

Sabatina durou cerca de 5 horas, mas procurador-geral foi confrontado poucas vezes; indicação agora será submetida ao plenário do Senado
Urgente: CCJ aprova recondução de Augusto Aras à PGR
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado acaba de aprovar por 21 votos a 6 a recondução de Augusto Aras à PGR. O procurador-geral foi sabatinado por cerca de 5 horas, mas foi confrontado poucas vezes.

Aras aproveitou o palanque legislativo para reiterar seu compromisso contra o que chama de “lavajatismo”, repetiu acusações infundadas contra gestões anteriores, disse que o MP não pode criminalizar a política e que cada “político merece dignidade”.

“Cumprir a Constituição é compreender a separação dos Poderes, é poder saber que o dever de fiscalizar condutas ilícitas não dá aos membros do Ministério Público nenhum poder inerente aos poderes constituídos, harmônicos e independentes entre si.”

O PGR afirmou que em sua gestão “não houve forjação de provas”, em claro recado a Rodrigo Janot, defendeu o fim do inquérito das fake news e falou em “polarização gravíssima”, sem apontar culpados.

Aras não conseguiu explicar sua inércia diante da atuação desastrosa do governo durante a pandemia. Na verdade, ele insistiu que “não faltou atuação da PGR e do PGR em nenhum momento” e rejeitou acusação de estar alinhado a Jair Bolsonaro. “Fui contra habeas corpus para Flávio Bolsonaro e Queiroz”, alegou.

Disse também que não é “comentarista político” para falar sobre os ataques de Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral.

Ficou evidente que os senadores não estão preocupados com os mais de 570 mil óbitos de Covid, com os quase 15 milhões de desempregados ou qualquer ameaça real à democracia. Só lhes interessa um Ministério Público leniente o suficiente para que sigam em suas negociatas com dinheiro público.

O nome de Aras agora será encaminhado ao plenário do Senado, onde certamente será aprovado com louvor. As votações na CCJ e no plenário são secretas.

Mais notícias
TOPO