ACESSE

Urgente: plenário do STF vai decidir sobre compartilhamento de dados da Lava Jato com a PGR

Telegram

Edson Fachin manteve a decisão que negou o acesso da Procuradoria-Geral da República aos bancos de dados da Lava Jato no Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo, mas decidiu que o caso será levado ao plenário do STF.

A PGR suspeita de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre foram investigados pela força-tarefa de Curitiba e, por isso, pediu acesso a todas as informações — os procuradores já refutaram a acusação.

“Mantenho a decisão agravada, diante da pacífica jurisprudência da Corte quanto à não transcendência dos motivos de determinantes e pelos demais fundamentos nela declinados, os quais se mantêm de modo hígido mesmo diante das razões recursais”, escreveu na decisão.

No mesmo despacho, Fachin pediu o envio, em até 5 dias, de manifestações das três forças-tarefas sobre o recurso apresentado pela PGR. Só depois, o caso irá a julgamento no plenário.

Na semana passada, ao revogar o compartilhamento que havia sido determinado por Dias Toffoli em julho, Edson Fachin afirmou que o precedente usado por ele para liberar as informações, baseado no princípio da unidade do Ministério Público, não se aplicava ao caso.

O presidente do STF citou uma decisão de Alexandre de Moraes que tratava da transferência de promotores de um estado para outro, algo sem qualquer relação com compartilhamento de provas.

Leia mais: Exclusivo: O 'blog' do Aras

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 67 comentários