Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Urgente: Sérgio Reis e Otoni de Paula são alvos da PF

Mandados de busca e apreensão foram expedidos por Moraes, a pedido da PGR; cantor, deputado e mais 8 são investigados por ataques às instituições
Urgente: Sérgio Reis e Otoni de Paula são alvos da PF
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A Polícia Federal cumpre neste momento mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao cantor Sérgio Reis e ao deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ). As medidas foram determinadas por Alexandre de Mores a pedido de Lindôra Araújo.

Segundo a PF, o objetivo é apurar “eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a democracia, o Estado de Direito e suas instituições, bem como contra os membros dos Poderes”.

Ao todo, estão sendo cumpridos 29 mandados de busca e apreensão, inclusive no gabinete do deputado, em Brasília; em sua residência no Rio (RJ), e também na casa de Sérgio Reis, em Mairiporã (SP), e endereços relacionados a outros alvos em Santa Catarina, Mato Grosso, Ceará e Paraná.

Sérgio Reis entrou na mira do Supremo depois que gravou áudio convocando uma paralisação de caminhoneiros, com bloqueio de estradas e invasão do Senado, para pressionar pela deposição dos 11 ministros do STF.

O deputado bolsonarista, investigado desde o ano passado por ataques e ofensas a ministros do Supremo, foi ao Twitter defender a realização de protestos no dia 7 de setembro com “pauta única”.

Temos que forçar o Senado Federal a abrir processo de impeachment contra Moraes e Barroso. Ou eles abrem o impeachment ou paramos o país por tempo indeterminado. Não é mais por Bolsonaro é pela nossa liberdade.”

Além do cantor e do deputado federal, são alvos das medidas o caminhoneiro Marcos Antônio Pereira Gomes (“Zé Trovão”), o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan; e os bolsonaristas Eduardo Oliveira Araújo, Wellington Macedo de Souza, Alexandre Urbano Raitz Petersen, Turíbio Torres, Juliano da Silva Martins e Bruno Henrique Semczeszm.

Mais notícias
TOPO