Vacinas à vista

Vacinas à vista
Foto: Artem Podrez/Pexels

A Crusoé desta semana explica quais são as diferenças das vacinas da Moderna e Pfizer da Coronavac e quais são as implicações na vacinação no Brasil.

“Pfizer e Moderna foram as primeiras a divulgar dados sobre eficácia porque começaram os seus estudos clínicos antes. A agilidade está ligada ao método diferente –e totalmente novo– para desenvolver os seus imunizantes. Em vez de usar um vírus atenuado ou inativo, as duas companhias apenas tiveram de fazer o download do código genético do vírus, que foi disponibilizado pelos cientistas chineses na internet ainda em janeiro. ‘Entre obter o sequenciamento do genoma e inocular o primeiro voluntário, a Moderna demorou só 42 dias. É uma rapidez espantosa, que nunca tínhamos visto antes’, diz a imunologista Keity Souza Santos, da Faculdade de Medicina da USP.”

LEIA AQUI a reportagem completa; assine a Crusoé e apoie o jornalismo independente.

Foto: Reprodução

Leia mais: Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 3 comentários
TOPO