ACESSE

"Vamos investigar milícias virtuais", diz autor da 'CPI das fake news'

Telegram

Como O Antagonista revelou mais cedo, a CPMI das Fake News está no forno. O deputado federal Alexandre Leite (DEM-SP) apresentou requerimento e diz que já recolheu 100 assinaturas.

Como se trata de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito, serão necessárias as assinaturas de 171 deputados e de 27 senadores.

Leite afirma que a ideia é “investigar os abusos produzidos por fake news”. Mas o escopo é amplo, amplíssimo, como mostra o texto do requerimento:

“Ataques cibernéticos que atentam contra a democracia e o debate público, a utilização de perfis falsos para influenciar os resultados das eleições de 2018, a prática de cyberbullying sobre os usuários mais vulneráveis da rede de computadores, bem como sobre agentes públicos, e o aliciamento e orientação de criança para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.”

Nas palavras do autor do requerimento, “o objetivo é investigar quadrilhas virtuais que se empenham em atacar autoridades do Supremo, do Congresso, partidos políticos e outras repartições.”

A imprensa será alvo? “Depende do escopo. Que âmbito da imprensa?”, diz. “Vamos investigar quadrilhas e milícias virtuais que promovem difamação de imagem com notícias falsas. Se existe um órgão de imprensa que faz parte disso, não estará impune. Mas o foco não é a imprensa. Vamos em busca de empresas e pessoas especializadas nisto: em produzir fake news.”

Parece mais um tribunal permanente contra críticas que não são ameaças e pressões legítimas da sociedade.

Censura à Crusoé: "É perversão da ética do direito" Leia mais

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 112 comentários