As viagens de Nuzman, Cabral e Rei Arthur

A Lava Jato descobriu que Carlos Nuzman fez pelo menos 15 viagens aos Estados Unidos e à Europa com Sérgio Cabral e Arthur César de Menezes Soares Filho, conhecido como “rei Arthur”.

As viagens, ocorridas entre fevereiro e outubro de 2009, serviram para comprar votos dos delegados olímpicos, suspeita o MPF.

 

11 comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200

  1. Quanto custou tudtoda esta Olimpíada, só a compra dos votos via corrupão até o término, a grna deve ter sido dinossáurica, não é pra menos que o Rio socumbiou, o Neusman deveria é ior pra cadeia, pela irresponsabilidade.

  2. Essa olimpíada assim como a copa do mundo foi ideia do molusco jararaca para aparecer e roubar mais um pouco juntamente com seus parceiros do crime. Ele precisa entrar na rota principal de investigação, chega de ser protegido pelos seus comparsas.

  3. O artigo de hoje do Reinaldo Azevedo a respeito do mea culpa feito ontem pela holding J&J e a crítica à forma como a imprensa embarcou sem análise crítica na canoa furada da PGR está imperdível.
    É atualmente, sem a menor dúvida, um dos 3 melhores analistas políticos do País. Ele e os editorialistas do Estadão acertaram em absolutamente TUDO.
    O Antagonista faz bem em mudar de assunto.

  4. Todos sabem que o megalomaníaco Lula era colado no Cabral e essa ideia das Olimpíadas no Rio foi coisa dos dois e mais uma vez o seu nome fica escondido. Façam o Cabral contar essa história direito. Autoridades mequetrefe protegendo o chefão.

  5. GloboNews em frente ao “OCEANA” em Key Biscayne, residência do “Rei Arthur” em Miami… adivinhem quem também tem apartamento no mesmo condomínio (em nome de Offshore como o do Rei)???? Luiz Roberto Barroso…kkkkkkkkk… o Brasil é um grande esgoto a céu aberto! Os aptos lá custam acima de 10 milhões de dólares e podem chegar a mais de U$30 Milhões… quem terá poder para desbaratar (ou desratizar?) esta grande quadrilha chamada Brasil?

    1. Militares esclarecidos. Não como os do contragolpe de 1964. Que estimularam o sindicalismo, foram estatizantes, aceitaram o marxismo cultural na imprensa e nas universidades, até perseguiram cidadãos da direita que viam as cagadas que eles faziam.