Vice de Aras volta a criticar modelo de forças-tarefa para combate à corrupção

No despacho que autorizou a prorrogação da Lava Jato no Paraná, o vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, repetiu críticas que fez, em julho, ao renovar a força-tarefa da Greenfield. Para ele, o atual modelo de formação das equipes é precário.

Afirmou que os procuradores designados não gozam de inamovibilidade e sempre dependem de ato do procurador-geral da República para continuarem na força-tarefa. E registrou as queixas de unidades do Ministério Público Federal que cedem seus membros para a força-tarefa.

“Se instala um clima organizacional de desigualdade de tratamento entre preteridos e privilegiados, centro de excelência e unidades em carência”, disse.

Humberto Jacques afirmou ainda que, atualmente, não há critérios claros e objetivos para a escolha desses procuradores, definida, segundo ele, com base em “confiança e afinidade”.

Segundo ele, é uma característica própria de cargos e funções comissionados, mas que “não combina com o modelo institucional de um agente de execução do Ministério Público”.

“A transformação de atribuições em tarefas e a substituição de membros autônomos e inamovíveis por membros precariamente lotados longe de seus Ofícios naturais é estruturalmente uma subversão do modelo constitucional de Ministério Público.”

O vice-procurador defendeu que o Conselho Superior do Ministério Público Federal aumente o número de ofícios no Paraná de combate à corrupção, extinguindo unidades no interior ou investindo no Gaeco, grupo especializado com estrutura permanente para atuar contra o crime organizado.

Leia mais: Exclusivo: a imprensa livre na mira
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 45 comentários
TOPO