Viva a resistência à Mela Jato. Viva também a nossa explicação

Começou a resistência civil, jurídica e política, antecipada aqui, contra os acordos de leniência marotos que o governo quer assinar com as empreiteiras do Petrolão, via Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU), para melar as delações premiadas da Lava Jato e salvar as empreiteiras da falência e Lula e Dilma do aterro sanitário da História. Vamos resumir essa batalha:

a) A Associação Nacional dos Auditores de Controle Externo dos Tribunais de Contas do Brasil, juntamente com a Associação da Auditoria do Controle Externo do Tribunal de Contas da União e a Associação Contas Abertas, entrou com uma representação endereçada ao representante do Ministério Público Federal junto ao TCU, o procurador Júlio Marcelo de Oliveira. Na representação, é pedida ao procurador uma ação cautelar que impeça a CGU de celebrar acordos de leniência com as empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, com aval do TCU. Alegação: interferência imprópria do Executivo na esfera do Judiciário, para neutralizar a Lava Jato, com o agente corruptor, as empreiteiras, acordando-se diretamente com o agente corrompido, a União, visto que a Petrobras é estatal

b) O procurador Júlio Lopes de Oliveira deu seguimento à representação e entrou com o pedido de ação cautelar junto ao TCU, para sustar a realização dos acordos de leniência entre a CGU e as empreiteiras bandidas

c) Na Câmara dos Deputados, o deputado Raul Jungmann, do PPS, apresentou um decreto-legislativo para vetar os acordos de leniência marotos. Ao mesmo tempo, quer convocar o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e o presidente do TCU, Aroldo Cedraz, para que tentem explicar a tramóia levada a cabo pelo Palácio do Planalto, a CGU e o TCU

d) No Senado, João Capiberibe, do PSB, percorre o mesmo caminho de Raul Jungmann

Viva a resistência à Mela Jato.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200