“Vou para o pau com o Barbalhão”

O Solidariedade do Pará confirmou o deputado Wladimir Costa como candidato ao Senado.

“Vou para o pau com o Barbalhão”, disse o parlamentar a O Antagonista.

Segundo Costa, seu adversário Jader Barbalho — senador desde 1995 e que tentará nova reeleição — “montou um esquema com muitos candidatos ao Senado, de modo que ele acabasse aparecendo na frente”.

“Não apareceu ninguém para encarar esse enrolado na Lava Jato. Então, eu vou para o pau. Eu sou doido mesmo, vou sair implodindo tudo, sou kamizaze.”

O agora candidato ao Senado fez questão de lembrar o episódio em que tatuou o nome de Michel Temer no ombro, na época da votação de uma das denúncias de Rodrigo Janot contra o presidente.

“Gastei 40 reais e consegui 100 milhões de reais em emendas para o Pará com aquilo ali: foram 40 reais que viraram 100 milhões de reais.”

A tatuagem era de henna.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Felipe Matheus disse: 30 de julho de 2018 às 12:35
    “É incrível como um sujeito baixo nível desses consegue se eleger.”

    Não é incrível não. Vá ver o nível dos seus eleitores.

Ler mais 19 comentários
  1. Felipe Matheus disse: 30 de julho de 2018 às 12:35
    “É incrível como um sujeito baixo nível desses consegue se eleger.”

    Não é incrível não. Vá ver o nível dos seus eleitores.

  2. Fico extremamente feliz em ter gente tão fina e elegante me representando na política do meu país. Esse homem só não é um lorde porque aqui não é england. Que coisa…

  3. Mas espera o que do Pará , lá e tudo na base da bala, os Barbalhos bom de gatilho, sugando os miseráveis há décadas, o AI cairia bem naquele estado.

  4. Dois suplentes com os mesmos direitos do titular se os dois assumirem por pouco tempo. Temos que votar em senadores que não tenham suplentes. Ou conhecer os suplentes, porque se o titular é corrupto imaginem os suplentes. A grana é alta,depois não culpem apenas funcionários públicos aposentados.

  5. É muita solidariedade, aqui isso se chama de troca troca, ou meinha, mas cada qual faz de seu Ku o que melhor lhe apraz.
    E eu pensei que era coisa só de pretendente de governo caroca.