Agamenon: Acarajé de Caroço

O Brasil é o país dos escândalos. É por isso que a Globo está perdendo audiência. Não tem novela, não tem minissérie, não tem programa de auditório que chegue aos pés do que rola no real. Real que, aliás, está cada vez mais desvalorizado.

Eu, que estou mais negativado que o Brasil, continuo no miserê. A situação é de desespero contido e pânico moderado. Estou até pensando em amputar uma parte de minha anatomia, que já não tem muita serventia, para ver se consigo me hospedar uns dias na Vila Paralímpica. Mas a Isaura, a minha patroa, descobriu que não tem modalidade paralímpica para bilauplégico.

As Olimpíadas nem começaram e o Brasil já foi desclassificado por três agências de risco. Segundo a Moody’s, o Brasil não vai ter nem como pagar o mico pelo atraso das obras. E muito menos a conta de gás da Pira Sagrada. Pra tapar o gigantesco rombo nas contas públicas, o governo já colocou as medalhas de ouro no “prego” da Caixa Econômica Federal.

Mas vamos aos escândalos mais cabeludos. O personal marqueteiro da presidente Zica Rousseff, João Sacanna, mudou de sobrenome para João Emcanna e, em seguida, foi trancado, junto com a sua patroa, no xadrez da Polícia Federal em Curitiba. Pelos menos o casal não vai precisar entrar com um pedido de visita íntima. A cadeia da PF de Curitiba está virando uma espécie de Big Brother Brasil. Só tem uma diferença: ninguém sai da Casa de Detenção, só entra. O japonês da Federal virou uma espécie de Pedro Bial, com a vantagem de não declamar aqueles textos “poéticos”.

E a bandalheira e a pouca vergonha não param por aí! Vaidoso por ter sido contratado como “coroa-propaganda” do Viagra, o ex-presidente Fecundando Henrique Gostoso assumiu que teve um filho fora do casamento com uma jornalista de programa. Programa da Globosat. O problema é que o exame de DNA que ela mostrou no Programa do Ratinho revelou que o verdadeiro pai da criança é o falecido biólogo francês Jacques Costeau. Costeau veio ao Brasil fazer uma pesquisa sobre as piranhas.

Ao saber do filho do líder do PSDB (Partido Social Democrata Bastardo), Luísque Inácio Lula da Silva virou para Dona Marisa e disse:

-Galega, se o FHC pode, eu também posso ter filho fora do casamento!

-E se descobrirem?, perguntou a “Madame”.

-Eu digo que não é meu. Igual ao tríplex e ao sítio de Atibaia!

Agamenon Mendes Pedreira não vale nada, mas ainda vale mais que o Brasil.

Faça o primeiro comentário