Agamenon: "Armar é..."

Como todos os meus 17 leitores e meio (não se esqueçam do anão, quer dizer, do indivíduo verticalmente prejudicado), eu ando engasgado com o governo de Jair BolsonArma. Engasgado e entalado também, principalmente depois que ele mandou os jornalistas enfiarem uma lata de leite condensado no c@#$%ˆ&*&ˆ%$u. Graças ao meu personal psicoproctologista, o Dr. Jacintho Leite Aquino Rêgo, esse acidente de percurso ficou para trás. Com habilidade cirúrgica acurada, Dr. Jacintho conseguiu remover o laticínio metálico-cilíndrico sem causar nenhum dano ao meu pavilhão reto-furicular, coitado, que está em frangalhos depois de sucessivas “metidas provisórias” no Centrão. Tudo bem, eu sei que o trocadilho é ruim, mas o governo BolsonAsno é pior.

Pior que o Bolsonaro só mesmo o bolsonasnismo. Esse estranho fenômeno paleonto-político, que é uma mistura de todos os governos brasileiros que vieram antes. Do Lula, herdou as rachuncho-maracutaias; do Médici, o nazi-nacionalismo; do Figueiredo, os modos equinos; da Dilma a ignorância quadrúpede; e do Temer, o Centrão.

Antigamente, o Planalto vivia infestado de áulicos palacianos. Já o Bozonauro prefere os áulicos milicianos. Um dos expoentes do neo-autoritarismo-populista de extrema direita radical é o deputado Daniel Sujeira, preso por ordem do ministro Alexandre Demorais, o Kojak do STF (Supremo Tribunal Fake). Injuriado com as bostagens do derrubado federal, Alexandre Moroso mandou prender o parlamentar que incitava a baderna, a desobediência civil, a volta do AI-5 e o espancamento dos ministros da Corte. Até aí, tudo bem…

O problema é que violento debochado federal foi longe demais, mas não o suficiente para não ser preso pelos federais. Na cadeia, Daniel (Quem?) teve que entregar as suas armas: um revólver 38 e o celular. Cadê o AR-15? Cadê o AK-47? A pistola Glock? A escopeta de cano serrado? A Magnun 7.65? Que espécie de militante bolzonazista é esse que anda por aí desprevenido? Daniel, que se orgulha de já ter sido preso mais de 90 vezes, passou o carnaval na cadeia desfilando como destaque no Bloco das Piranhas, fazendo a alegria da bandidagem.

Por ironia do intestino, Daniel foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional, um dos pilares da ditadura militar que, para os BolsoNazis, foi a melhor fase do Brasil. Eles não viveram naqueles tempos sombrios da dentadura milico autoritária. Eu, Agamenon Mendes Pedreira, sofri o diabo nas masmorras pendurado no pau de arara. O pau de arara, no caso, era do jovem Caetano Velhoso com quem dividi uma cela DOI (muito!) CODI na Barão de Mesquita.

No quartel da PM (Polícia Miliciana), os sanguinários gorilas arrancaram as minhas unhas, o que me causou grandes danos de fundo nervoso (mais de fundo que nervoso) e me impediu de fazer uma “francesinha” na manicure por muitos anos. Agora vai depender do Congresso e do Boninho decidir se o truculento mocorongo vai ou não para o paredão. Caso seja cassado, o ex-PM já mandou avisar que vai estrelar um filme de ação e porrada: Rambolsonaro, A Demissão.

Agamenon Mendes Pedreira quer a volta da dentadura militar, que teve que vender para pagar suas contas.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
TOPO