Agamenon: “Ditadores Sem Fronteira”

O ditador venezuelano Nicolás Caindo de Maduro é um sujeito patético, paranoico e paramilitar, e isso só com a letra P! Mas, infelizmente, ele também tem alguns defeitos. E o maior de todos é que ele usa as mesmas roupas que a ex-presidenta Dilma Roskoff. Por falar nisso, por onde anda Dilma Roskoff?

Mas enfim… Em vez de ditador sul-americano, Maisduro deveria ter seguido a profissão de endocrinologista ou nutricionista: fez o povo da Venezuela emagrecer 10 quilos em média nos últimos anos. Tem muita perua brasileira passando temporada em Caracas em vez de gastar fortunas com SPAs.

O único jeito de o venezuelano comer carne hoje em dia é morder a própria língua. Tem gente procurando restos de comida no lixo, mas, como não tem nada sobrando, as pessoas estão comendo as latas e as caçambas. E o pior é que as caçambas já estão acabando.

Enquanto isso, o ditador bolivariano está cada vez mais gordo, para provar que a magreza e a fome dos venezuelanos é uma invenção do imperialismo neoliberal assassino dos ianques.

Até as misses Venezuela, orgulho do país, já se mandaram de lá para serem comidas em outros países. Mesmo porque, com uma inflação alucinada, o dinheiro local, o bolívar, só está sendo usado como papel higiênico, já que não vale m*#%!#erda nenhuma. E o pior é que a esquerda bolivariana não para de fazer ca$%ˆ&*#$gadas e , por isso mesmo, os bolívares também estão acabando.

Agamenon Mendes Pedreira é bom jornalista pra Caracas.

Um deputado resolve chamar a responsabilidade do país para si. Veja aqui!

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. Que engraçado este Agamenon. Hoje perdi meu tempo lendo dois dos seus artigos, ou melhor, escritos entulhados de recalque. Foi bom que li, da proxima vez não perderei mais o meu tempo com este ASNO

Ler mais 13 comentários
  1. Que engraçado este Agamenon. Hoje perdi meu tempo lendo dois dos seus artigos, ou melhor, escritos entulhados de recalque. Foi bom que li, da proxima vez não perderei mais o meu tempo com este ASNO

  2. Pelo o nível de falts de graça e sensibilidade ao tratar de um assunto tão delicado apostaria que o autor é o Marcelo Madureira. E se não for passa a ter a desonra de ser.