Agamenon: É uma cag&ˆ%$#*ada só!

Que o brasileiro só faz me%ˆ&*rda, todo mundo já sabe. O que ninguém imaginava é que não vai poder mais fazer me$%ˆ&rda todo dia. Quem desrespeitar a lei vai ter o intestino preso.

O presidente Jair Cocôssauro , para preservar o meio ambiente , decretou uma medida supositória determinando que cada brasileiro só pode fazer o número 2 dia sim, dia não. Já é um avanço. Se o presidente, que faz mer$#%ˆ&*da todo santo dia, der o exemplo, o Brasil já vai melhorar 50%. E é bom Jair se limpando.

O problema é que se faz tanta mer$%ˆˆ&*da neste país que se coloca em risco o equilíbrio ecológico da humanidade. Desesperados com o mau cheiro da bosta brasileira, todos os países do mundo, da Alemanha à Zâmbia, fazem um apelo desesperado: brasileiros, parem de fazer mer$%ˆ&*da porque desse jeito vocês vão acabar com o planeta!!!

Depois de ameaças de embargos econômicos, inclusive com a proibição de importar papel higiênico, o governo brasileiro vai ter que tomar providências: mandar o o filho “número 2” para a embaixada de Washington no lugar do Zero 3.

Defecar vai ser regulamentado em peso, forma, medida e consistência. Só vai poder ser mole, duro ou pastoso. Novos impostos e tributos serão estabelecidos. Vai ser criado um novo ICMS (Imposto de Cocô e Merda Social), de caráter municipal; a CPMF (Contribuição Por Meio de Fezes), estadual; e o IRPF (Imposto de Renda Pessoa Fecal), de natureza federal.

O cagão, ou cagona, vai ter preencher uma declaração anual com a quantidade e a origem natureza do cocô produzido (fonte cagadora) e mandar para o site da Receita Fecal. Toda declaração vai ser examinada devidamente por um fiscal federal de mer%ˆ&*da. Atenção: vai ter concurso público para a função, é bom Jair estudando a matéria.

Como vai ter muita “sonecagação”, o governo vai ter que privatizar a mer&*ˆ%$da toda. Vão contratar várias empreiteiras, como a Merdas Jr., a Queiroz Cagão e a Camargo Cocôrrea para fazer um enema geral no país. O problema é que os empresários vão superfaturar a concorrência flatulenta que vai acabar em uma nova operação da PF: a lavagem-jato.

Por falar em escândalo, o STF (Supremo Tribunal Fecal), cujos ministros passam o dia todo brigando entre si e com o resto do Brasil, não necessariamente nesta ordem, quer garantir o direito dos seus membros continuarem a fazer mer$%ˆ&da à vontade sem ter de prestar contas a ninguém.

Por motivos óbvios, o ministro Barroso está impedido de votar nesta matéria. O mesmo se pode dizer do ministro Gilmar Merdes e Marcocô Aurélio de Mello. Aliás, Gilmar é a maior autoridade em jurisprudência laxativa, aquela que solta todo mundo.

Agamenon Mendes Pedreira é jornalista especializado em matérias fecais

Comentários

  • JOZIAS -

    Essa foi caprichada!

  • VITOR -

    Excelente!! Dei boas risadas aqui lendo esse texto. Eu já imaginava que a turma do Agamenon não ia deixar passar essa história do "no. 2" do presidente. Estava pedindo p/ fazer piada!

  • Lili -

    Muito bom rs.

Ler 82 comentários