Diretor da Funarte diz que 'não há diálogo possível' com classe artística

O dramaturgo Roberto Alvim, nomeado por Jair Bolsonaro para dirigir o Centro de Artes Cênicas da Funarte, escreveu no Facebook: “Não há diálogo possível” com a classe artística, “gente hipócrita e canalha”.

“Trata-se de uma guerra irrevogável. A foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros, publicada hoje na capa de uma revista esquerdista,
mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas, assim como demonstra a separação entre eles e o povo brasileiro.”

Defendeu uma renovação completa da classe teatral, “radicalmente podre”.

“Mentem diariamente, deturpando os valores mais nobres de nossa civilização, propagando suas nefastas agendas progressistas, denegrindo nossa sagrada herança judaico-cristã”, completou depois.

Comentários

  • Ernesto -

    Numa coisa ele tem razão. 90 por cento da classe são pessoas hipócritas e os outros 10 por cento são patrulhadas pelos 90 porcento!

  • Cleonor -

    Esses artistas lixos como a bruxa Fernanda Monte Negro nunca receberam um oscar, nunca forma reconhecidos lá fora, somente aqui se acham ilustres

  • Sergio -

    Concordo!

Ler 113 comentários