Sambando sobre cadáveres

Sambando sobre cadáveres
Foto: Alan Santos/PR

Neguinho da Beija-Flor disse à Folha que manter o Carnaval deste ano seria “desfilar por cima de cadáveres”.

Na entrevista, ele lembra que chegou a ser internado por causa da Covid e que a doença  matou Farid Abrão David, prefeito de Nilópolis (RJ) e ex-presidente da escola de samba, além de integrantes da bateria e compositores.

“Também perdi seis pessoas da bateria, perdi o presidente da ala de compositores, perdi compositores. É muita gente, por isso eu estou de pleno acordo que não tenha Carnaval, porque seria desfilar por cima de cadáveres. Não tem nem como você estar ali cantando e pensando nas pessoas que estavam do seu lado esses anos todos e não estão mais. Vamos ter paciência e pensar em 2022, a vacina está aí, é a grande esperança para o mundo da música e do entretenimento.”

Bolsonaro e seus generais sambam sobre 240 mil cadáveres.

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que tem coragem de fiscalizar TODOS os poderes
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO