Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

O lado certo

Dois meses atrás, publiquei na Crusoé:

“Sergio Moro vai vencer em 2022. É o futuro presidente do Brasil”.

A imprensa, na época, desprezava suas chances, assim como os quadrilheiros, os analistas do mercado financeiro e as empresas de consultoria. Por isso, tive de explicar meu prognóstico:

“Há um fator que pode empurrar Sergio Moro para o Palácio do Planalto, e que as pesquisas ainda escondem: a integridade pessoal. Na disputa contra um condenado por suborno e um indiciado por assassinato em massa, ele se destaca por ser limpo, uma qualidade imprescindível num mundo higienizado pós-Covid.

Caso se renda à sua inelutável candidatura, Sergio Moro já parte com 10% dos votos, embora more em Washington, nunca tenha feito campanha eleitoral e esteja escutando calado há mais de um ano as calúnias disparadas por lulistas, bolsonaristas e Gilmar Mendes. No fim do ano, depois de rodar o Brasil para apresentar seu livro sobre a Lava Jato e o período no governo do sociopata, as pesquisas devem ser ainda mais animadoras. Agora, porém, a prioridade é outra: ele tem de montar um programa e uma equipe. O país foi devastado, e precisa de um plano, muito mais do que de um presidente”.

O resto da coluna, que é sobre o meu jeito de fazer jornalismo, que sempre assume um lado, mas sem perder de vista os fatos, está na Crusoé.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....