Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Pazuello ainda não foi preso

Pazuello ainda não foi preso
Reprodução/redes sociais

Eduardo Pazuello foi inocentado pelo Exército, mas ainda não escapou da cadeia.

A PF, em inquérito sigiloso que investiga seus crimes, descobriu que o governador do Amazonas, o bolsonarista Wilson Lima, pediu-lhe socorro cinco dias antes do colapso dos hospitais em Manaus.

Apesar disso, os cilindros de oxigênio da White Martins ficaram parados no aeroporto de Guarulhos, à espera de transporte do Exército.

Diz a Folha de S. Paulo:

“Um ofício reproduzido no inquérito, assinado pelo governador do Amazonas, foi enviado a Pazuello em 9 de janeiro. O documento aponta a necessidade de oxigênio diante da alta da infecção pelo coronavírus e do aumento dos casos de internação, com ‘súbito aumento no consumo’ do insumo.

O documento alerta para a ‘iminência de esgotamento’ e para a ‘necessidade de resguardar a vida dos pacientes’ no estado.

O ofício diz, então, que a White Martins, empresa responsável pelo fornecimento de oxigênio em Manaus, teria disponíveis 500 cilindros em Guarulhos, prontos para transporte aéreo urgente às 16h do dia seguinte, 10 de janeiro.”

O colapso dos hospitais só ocorreu em 14 de janeiro, quando uma parte desses cilindros ainda estava criminosamente armazenada em São Paulo.

Dá para entender por que o comandante do Exército inocentou Eduardo Pazuello: a culpa pelas mortes não foi apenas dele, e sim de todos os militares.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO