13 governadores rejeitam reduzir ICMS para baixar preço do diesel

Em reunião virtual do Confaz, o Conselho Nacional de Política Fazendária, 13 governadores recusaram a proposta do governo federal de reduzir a base de cálculo do ICMS para baixar o preço do diesel, registra o G1.

A proposta da equipe econômica autorizaria os Estados a diminuir em R$ 0,25 a base de cálculo do ICMS sobre o diesel, o que poderia levar a uma queda de R$ 0,05 no preço do litro do combustível nos postos.

O acordo com os caminhoneiros fechado por Michel Temer prevê corte de Cide e PIS/Cofins, tributos federais, e queda de R$ 0,46 no preço do litro do diesel.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. A alíquota máxima cobrada pelo ICMS chega ao absurdo de 35% sobre a base de cálculo! E ainda é calculada por dentro do preço o que praticamente triplica o custo final do preço, e eles queriam abaixar 0,25% só da base de cálculo??? É palhaçada!

Ler mais 27 comentários
  1. A alíquota máxima cobrada pelo ICMS chega ao absurdo de 35% sobre a base de cálculo! E ainda é calculada por dentro do preço o que praticamente triplica o custo final do preço, e eles queriam abaixar 0,25% só da base de cálculo??? É palhaçada!

  2. O estado inchado, cargos de confiança, estados, prefeituras, politicos, suplentes, assessores, super salarios, benesses, conchavos, corrupção, super faturamentos. Não cortam na propria carne. A solução é continuar saqueando as estatais. e quem paga a conta é a população.

  3. Energúmenos incapazes, não administram, só enganam disse: 29 de Maio de 2018 às 20:07
    Estes maus gestores só sabem criar e manter impostos.
    Não possuem formação nenhuma e estão ali por conchavos políticos.
    Se os colocássemos a administrar uma empresa, eles a quebrariam em pouquíssimo tempo.
    =========
    Hum, tipo assim o Meirelles, ex-presidente mundial do Bank of Boston?

  4. É sempre fascinante ler comentários que fantasiam impostos como um tipo de mesada que o governo recebe e que gasta conforme os trocados que recebe. É bom ser “sonhático” e ignorar a realidade que praticamente a totalidade das despesas é compulsória e que os governos estão cada vez mais endividados. Para reduzir um imposto precisa explicar como a perda de arrecadação será compensada. E adivinhe só: a compensação raramente ocorre. Nominalmente você está pagando menos, na prática está custando mais. 🙂

    1. MAS, NAO TORNAM A MAQUINA ESTATALCOM O MINIMO DE EFICIENCIA, NEM ABRE MAO DOS CABIDES DE EMPREGO! ASSIM, NAO HA DINHEIRO QUE CHEGUE! A MAIORIA DOS ESTADOS SPRE FOI DEFICITARIA, COM CRISE OU SEM CRISE! QTO MAIS POBRE O ESTADO, MAIS ALTOS SAO OS SALARIOS, BENEFICIOS E REGALIAS PARA TODOS OS PODERES!
      UMA DAS SAIDAS E: NA PROXIMA ELEIÇAO SO VOTAR EM QUEM SE COMPROMETER A REDUZIR A MAQUINA! CASO CONTRARIO, VAI PLANTAR COQUINHO!

  5. Estes maus gestores só sabem criar e manter impostos.
    Não possuem formação nenhuma e estão ali por conchavos políticos.
    Se os colocássemos a administrar uma empresa, eles a quebrariam em pouquíssimo tempo.
    Como no Governo Estadual o caixa e endividamentos são ilimitados, estes babacas nada fazem de positivo.
    Eu já esperava a inépcia total destes energúmenos e despreparados. São uns incapazes.

  6. Quais são os 13 estados? Com certeza são os do norte, nordeste e mais algum perdido do centro oeste ou sudeste. É o reduto dos petralhas e adjacências. Usando da humildade e ignorância de eleitores destes estados os petralhas deitam e rolam com mentiras e promessas que jamais cumpriram ou vão cumprir.

  7. Agiram bem os governadores/secretários.

    Vem aí uma paulada das grandes com a perda de arrecadação com a queda de venda de produtos e serviços. Tenho o palpite que será maior do que as piores projeções porque, nos supermercados, várias marcas conseguiram ocupar espaço das concorrentes. Na hora em que a música parar, temporariamente não vai haver cadeira para todos sentarem. Ou vai haver guerra de preços para desovar estoques e reativar a produção, ou teremos impactos de fluxo de caixa e aumento súbito de demissões. Os chantagistas conseguiram desorganizar o que já estava ruim.

  8. Governadores delinquentes querem continuar com impostos indexados ao dólar e petróleo, só q pagam suas despesas em reais…isto tem q acabar principalmente numa inflação abaixo de 4% e crise econômica

  9. Vamos entender o pacto federativo:
    Governo federal em deficit e não tem como subsidiar o preço dos combustíveis.
    Governos estaduais – todos – também em déficit e devendo bilhões ao governo federal.
    ENTÃO, se governos estaduais abrirem mão de seu ICM, seus deficits aumentarão, e em consequencia as suas dívidas para com o governo federal.
    O povo não tem atividade econômica; os investidores fogem do Brasil por NÂO confiarem nos políticos brasileiros. Portanto, o governo não tem como aumentar as suas receitas para suprir o seu deficit crescente.
    Fechou o círculo do nosso pacto federativo!!!…

  10. Alíquota de diesel é em torno de 15%. Já de gasolina entre 28 a 30%. Andei pesquisando. Donos de caminhões, de hillux, de maroks, já ganharam muito benefícios. Deixem um pouco para as proprietárias de Fiat Uno. Abaixe da gasolina, governadores!

  11. Como venho dizendo é um ” copia e cola” que este blog faz e não tem nem a preocupação de informar quais foram os governadores. Leio esses posts porque sou aposentado e tenho tempo livre de sobra.

  12. Os Estados estão falidos! A União fica com tudo!
    O Brasil precisa rever esse Pacto Federativo!
    Sul, Sudeste e Centro-Oeste arrecadam, mandam tudo pra Brasília, que redistribui a maioria dos recursos para os coronéis do Norte e do Nordeste.
    Está na hora de acabar com isso!

  13. Se abaixarem o imposto, não poderão pagar viagens para a amante, nem comprar aquela Ferrari, muito menos aquela mansão a beira da praia. São todos governadores favoráveis ao bem estar…….deles próprios!