"A fatura já está chegando"

“A fatura já está chegando”
Foto: Câmara Municipal de Várzea Paulista

“A gente gastou demais”, disse Zeina Latif, a propósito das medidas emergenciais para impulsionar a economia durante a epidemia de Covid-19.

“Tinha de ter gastado menos (…). Uma coisa é ter de fazer socorro, mas gente desperdiçou recursos na ajuda aos Estados. Foi um volume de recursos além da queda de receita. Tem Estado que está com um caixa que nunca teve. Houve alguma contrapartida dos Estados? Exigiram ajustes? Nada. Esse auxílio emergencial foi absolutamente descalibrado. O auxílio emergencial era para dar subsistência para pessoas vulneráveis. Olha o crescimento das vendas do varejo e da indústria. É absolutamente artificial. Errou na dose”.

O Estadão perguntou-lhe se o impacto desse gasto desproporcional não foi positivo, considerando a melhora do PIB.

Ela respondeu:

“Não. É sonho de uma noite de verão. É transitório, porque é um crescimento artificial. A fatura já está chegando. Por que o câmbio está assim? Tem de tomar cuidado. Eu fui contra o tempo todo ao discurso de ‘vamos gastar e depois a gente vê’. Não existe isso. Recurso público tem de ser usado com zelo. O Brasil, em relação aos emergentes, destoou de novo. A gente gastou como se fosse a Alemanha e gastou mal, porque a gente se preocupou muito em sustentar o consumo e podia ter calibrado mais para ajudar novas empresas”.

Leia mais: Vacina boa é a que funciona e ponto final.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 54 comentários
TOPO