A reforma meia-bomba

Michel Temer não tem cacife para fazer uma reforma previdenciária de verdade.

Eliseu Padilha reconheceu isso e anunciou ao Valor uma reforma meia-bomba, que pode melhorar as contas por alguns anos:

“A despesa vai subir moderadamente nos primeiros oito anos, dez anos, e depois começa a subir de novo, porque a expectativa de vida aumenta e menos pessoas chegam ao mercado de trabalho”.

Uma reforma meia-bomba é muito melhor do que nenhuma reforma.

Faça o primeiro comentário