A volta do estagiário

André Esteves, que foi estagiário de Paulo Guedes, aproximou-se da campanha de Jair Bolsonaro.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 41 comentários
    1. Não, Maria, a mídia está fazendo sua obrigação: informar. Podemos não gostar das notícias, mas negá-las não é inteligente. E, sim, o banqueiro corrupto André Esteves se aproximar é preocup

  1. BOLSONARO em seu primeiro discurso, vai abrir a camisa e mostrar o que lhe fizeram e irá perguntar aos “brasileiros” se é isso que querem que aconteça com o BRASIL. Deus acima de todos

  2. Tranqueira SÓ atrai tranqueira. Boi preto reconhece boi preto. Se BOSTAnaro chegar ao poder teremos um misto de COLLOR com LULADRÃO. BOSTAnaro x Ruindad…..melhor caminho será o aeroporto!!!

  3. G 1 da GLOBONOJO soltou a seguinte manchete: Bolsonaro amplia vantagem entre os Ricos. Mas porque nao colocou que BOLSONARO amplia VANTAGEM COM AS MULHERES? Seus FDP ! Ampliou e muito. GLOBOLIXO .

    1. G1 é uma pocilga! Fechou até os comentários, porque sabe que os eleitores do Bolsonaro são maioria. Além de mentirosos e parciais, escrevem horrivelmente.

    1. lembra que delcidio ao ser preso falou de um plano de um aviao levar cervero p fora do pais antes de abrir o bico? o tal aviao pertence a andre esteves, dono de banco e socio do uol.

  4. Nunca vi esse sujeito na campanha de Bolsonaro. Fakenews desbragada!!! Não adianta espernear, é vitória no primeiro turno: Viva Bolsonaro/Mourão/Guedes 17 !!! É melhor Jair se acostumando !

  5. Jair Bolsonaro está no hospital, ainda. E a mídia aproveita pra plantar notinhas. Ele mesmo nem recebe esse cidadão. Não preciso dizer que gente assim não tem lugar no governo dele.

    1. A a falta que o capitão faz, até pra alinhar a tropa, e o discurso dos “centuriões”, alinhado a essa tentativa de provocar, da imprensa, quando ele não pode responder devidamente, é osso.

    1. De Brazuela aparentemente não chegaram a falar. De Cubrasil, sim; os cubanos, porém, rejeitaram o nome sugerido para a fusão. A alternativa irritou muito mais os homólogos brasileiros.