Aldemir “Val Marchiori” Bendine é perfeito para a Petrobras

O que há de mais relevante na carreira do novo presidente da Petrobras, Aldemir “Val Marchiori” Bendine:

a) Em 2011, foi acusado por um subordinado seu no Banco do Brasil de mandar espioná-lo, num episódio que permanece nebuloso

b) Em 2014, foi multado pela Receita Federal, para não ser questionado sobre a sua evolução patrimonial e sobre a origem de 280 mil reais em espécie, usados para comprar um apartamento em 2010. Assim como Dilma Rousseff, a ex-guerrilheria de esquerda, ele faz parte da estranha espécie que guarda dinheiro em espécie em casa, apesar de ter presidido um banco.

c) No mesmo ano, chancelou um empréstimo totalmente irregular de 2,7 milhões de reais do Banco do Brasil à sua “amiga” Val Marchiori. Além disso, o seu motorista denunciou que foi portador de vários pagamentos de Bendine em dinheiro vivo. Bendine entregou o cargo de presidente do Banco do Brasil, mas Guido Mantega o manteve até que fosse nomeado o novo ministro da Fazenda.

d) Em janeiro deste ano, fechou um acordo com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), para escapar de um processo administrativo por violar o silêncio imposto a ele durante a oferta pública de ações da BB Seguridade. Pelos termos do acordo, pagou 122 mil reais à CVM.

O Antagonista acha que Aldemir “Val Marchiori” Bendine reúne, sim, todas as condições de ser presidente da Petrobras.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200