“As análises não deverão se ater apenas a valores ou pessoas”, justifica BC

O Banco Central divulgou uma nota explicando assim as propostas de mudanças no combate à lavagem de dinheiro, incluindo excluir parentes de políticos da lista de monitoramento obrigatório das instituições financeiras e derrubar a exigência de que todas as transações bancárias acima de 10 mil reais sejam notificadas ao Coaf:

“Conforme a proposta colocada em consulta pública, as instituições financeiras terão que adotar controles mais adequados e com base em risco para reportar ao Coaf todas as operações suspeitas. Em outras palavras, as análises não deverão se ater apenas a determinados valores ou pessoas, as instituições terão que monitorar e analisar todas transações financeiras, independentemente de valor ou do tipo de pessoa, e reportar tudo o que for suspeito. Portanto, não haveria mais sentido em sinalizar um limite de valor para a comunicação, mas sim deixar claro que operações suspeitas de qualquer valor devem ser comunicadas, o que amplia o escopo de comunicações relevantes.

Para isso, a proposta aperfeiçoa o modelo de abordagem interna de risco das instituições, que deverá considerar, entre outros pontos, a classificação de risco dos clientes, dos produtos e de terceiros contratados.”

O texto acrescenta que “a norma está em fase de discussão” e que a publicação deve entrar em vigor em 2020.
As reais intenções de Dilma e Cuba com o programa Mais Médicos. SAIBA MAIS AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 32 comentários
  1. Sinto o mal cheiro da blindagem de filhote do Presidente se avizinhando, em virtude da colocação dessa suspeita proposta de mudança. Vai mal sr. Moro, vai mal sr. Bolsonaro, muito mal sr. Ilan.

  2. Ótima idéia do Canco Central, fiscalizar obrigatoriamente Todas as pessoas e não só os parentes de políticos, e informar ao coaf Todas as operações suspeitas e não apenas as acima de 10 mil.

  3. Pra quem não entendeu ou “fingiu” que não entendeu: a Obrigatoriedade de Monitoramento agora se estende a todas as pessoas e não apenas aos parentes de políticos como era antes…

  4. Vai virar bagunça e não haverão notificações ao Coaf. Parentes de políticos devem ser monitorados durante todo o período e não ficarem “livres, leves e soltos” por aí.

  5. O texto provoca mais dúvida do que explica. Eu vejo outra interpretação, onde TODAS as transações são comunicadas ao COAF e aí o sigilo bancário fica irrelevante. A receita teria todos os dado

    1. Quem não deve não teme? Até o dia que você ter uma opinião contra o estado e ele utilizar este e inúmeros mecanismos para aniquilar você da face da terra. GV está gargalhando no inferno.

  6. todas as transações suspeitas devem ser acompanhadas e relatadas aos órgãos de investigação. Se é assim ok, de outro modo seria um retrocesso que beira as raias da indecência!!!!

  7. E os parentes de políticos e os próprios? Até onde lia nova norma exclui essas pessoas. Se é assim a imoralidade volta. Concordo que não deve haver limites ou listas, mas todas as transações…

  8. E vão transferir para os banqueiros “honestos e íntegros” deste paiseco de quinta categoria o poder de decidir quem está ou não lavando dinheiro??? Que o presidente do Banco Central vá tomar no