Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

BC diz que atividade econômica cresceu em três das cincos regiões do país

Os dados fazem parte do Boletim Regional, divulgado hoje e levam em conta os resultados acumulados entre julho e setembro
BC diz que atividade econômica cresceu em três das cincos regiões do país
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A atividade econômica cresceu em três das cincos regiões do país entre julho e setembro, mas o ritmo de alta é menor que o de trimestres anteriores. As informações fazem parte do Boletim Regional, divulgado hoje (24) pelo Banco Central. O setor de serviços, o maior da economia brasileira, foi o responsável por manter o resultado positivo no Sudoeste, no Centro-Oeste e no Nordeste.

Sudeste

No Sudeste, a atividade econômica cresceu favorecida pela recuperação do setor de serviços, com o avanço da vacinação contra a Covid-19. Todos os segmentos de serviços apresentaram abertura de vagas, com destaque para atividades administrativas e serviços complementares, alojamento e alimentação.

Nordeste

No Nordeste, o crescimento foi liderado pelos serviços. Entre os segmentos, os prestados às famílias e transportes, em ambiente de recuperação gradual da mobilidade das pessoas e de ligeira melhora no mercado de trabalho.

Centro-Oeste

Com a entressafra, o Centro-Oeste registrou crescimento mais moderado, influenciado pela menor produção de milho e cana-de-açúcar. O resultado positivo foi sustentado pela expansão do comércio, da construção civil e dos serviços de alojamento e alimentação, repercutindo os efeitos do avanço na vacinação.

Norte

 O índice de atividade econômica do Norte recuou 1% no terceiro trimestre do ano, influenciado pelas retrações no Amazonas (-3,1%) e Pará (-0,9%). O resultado foi influenciado pela desaceleração na indústria e no comércio, impactados pela limitação da oferta de insumos na cadeia produtiva.

Sul

O índice de atividade econômica do Sul recuou 0,7%, após quatro altas consecutivas. O setor industrial foi o quem mais contribuiu para a retração da atividade econômica, em razão de problemas com a normalização da cadeia de suprimentos, além dos estoques reduzidos e custos elevados.

Mais notícias
TOPO