Com estes vai ser mais difícil, Maia

Rodrigo Maia vai intensificar nesta semana as reuniões com governadores sobre a reforma da Previdência, ainda não apresentada ao Congresso.

O presidente da Câmara terá mais dificuldade nas conversas com Fátima Bezerra (PT, Rio Grande do Norte), Flávio Dino (PCdoB, Maranhão), Paulo Câmara (PSB, Pernambuco), Rui Costa (PT, Bahia) e Camilo Santana (PT, Ceará).

200 assinaturas para a CPI da UNE. Será que agora vai? Acompanhe aqui!

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Peço perdão em nome do nosso pobre estado Potiguar! Nossa governadora causa ânsia em qualquer pessoa minimamente esclarecida… A boa notícia é que o PT a cada dia perde mais força na região.

Ler mais 31 comentários
  1. Peço perdão em nome do nosso pobre estado Potiguar! Nossa governadora causa ânsia em qualquer pessoa minimamente esclarecida… A boa notícia é que o PT a cada dia perde mais força na região.

  2. Tudo esquerdopata atrasado.Mas estão virando minoria, finalmente o Brasil está se libertando dessa gente medieval. Pena q aqueles mantidos ignorantes no Nordeste ainda votam nessa escumalha.

  3. Camilo Santana do PT é engraçado…quando o sapato aperta veio correndo pedir o penico para o Dr. Moro. Agora, é contra a reforma da previdência e depois pede dinheiro da União. Piada, né????

  4. Juntando todos estes citados, não dá um Governador com G maíusculos. Basta colocar na reforma que os governadores poderão adotá-las ou não. Aí quero ver esses citados não adotarem a reforma

    1. Me desculpe, mas não sou bom entendedor destes assuntos. Se o Maranhão recebe da União 1,8 bi e recolhe à União 9,8 bi, então ele é superavitário não é? O mesmo raciocínio para os outros.

  5. Mais uma semana cheia do Botafogo viajando de jatinho nas nossas custas. Até quando iremos pagar suas mordomias . Mais de bilhão de reais por ano só para manter suas benesses. Tem que acabar FP.

    1. V. tem razão. Vão mal de finanças. A retórica é uma; a realidade, outra. Se o Brasil não arrumar suas contas, permanecerá na categoria de País de Renda Média. Atolar-se aí é pura tolice.