Contas do governo têm o pior rombo em 22 anos

As contas do governo registraram um rombo de R$ 24,8 bilhões em março deste ano, informou a Secretaria do Tesouro Nacional hoje.

Ou seja, as despesas do governo superaram em muito as receitas com impostos e contribuições federais. Foi o maior deficit no mês de março desde o início da série histórica, em 1997.

Segundo o governo federal, o rombo aumentou devido à antecipação do pagamento de R$ 9,5 bilhões em precatórios (sentenças judiciais).

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. E o funcionalismo pressiona por aumento de salários! O gênio concursado com mais de dois neurônios pensa, “não tenho nada a ver com isso” e ele tem razão. Mas nos que pagamos o salário deles temos tudo a ver com isso. Não tem dinheiro para pagar é para rua campeão ou, fica bem quietinho no seu canto!

Ler mais 28 comentários
  1. E o funcionalismo pressiona por aumento de salários! O gênio concursado com mais de dois neurônios pensa, “não tenho nada a ver com isso” e ele tem razão. Mas nos que pagamos o salário deles temos tudo a ver com isso. Não tem dinheiro para pagar é para rua campeão ou, fica bem quietinho no seu canto!

  2. Ué, estão votando agora no Congresso, distribuição aos Estados e municipios mais de 5 bi, com alegação que é referente ao superavit de impostos.Não entendi?

  3. Balela…
    Anos de juros altos, festa para os sócios da 7Brasil, a maior recessão que continua em vigor pois acabou com o país.
    Dizem que há recordes de arrecadação, porém são impostos em atraso liquidados com descontos, ou entradas de recursos do exterior, mas da economia real, nada…
    Aos bajuladores da política do Meireles e de um Banco Central déspota as nossas congratulações.
    25% da população ativa fora do mercado de trabalho formal e acham bonito.
    Os políticos são ruins, o Judiciário é conivente, o executivo é irresponsável e a imprensa não raciocina. É triste a nossa realidade.

  4. É para manter a agência de turismo do governo os cartoes corporativos, nao é mole nao,tem que ter cacife . Viagens oficiais.!Mas como é fácil.ebo pivovquecsecexplida,aumentam a gasolina toda semana e nois paga.

  5. Ou se reduz de forma DRÁSTICA o “tamanho” do estado brasileiro, ou NÃO TEREMOS solução de continuidade como nação !!! O “funcionalismo público” em TODOS os setores Federal / Estadual / Minicipal / empresas estatais e OUTROS cabides de emprego É O CÂNCER DO Brasil !! TEM QUE SER EXTIRPADO !!!

  6. Desculpe os que acham que não, nas desde que Joaquim Levi foi emposssado como ministro da Fazenda de Dilma, estamos sendo guiados pela banca mesquinha, que pensa pequeno e não põe o Brasil para crescer. Pensamento anacrônico de agiotas. Precisamos de um industrial dando as cartas. Se ficarmos com os banqueiros dando as cartas, o Brasil será sugado até a última gota de sangue.

  7. Rombo mesmo será quando a “previsão” de crescimento de 3% do PIB “surpreendentemente” não se realizar, ainda que o PIB do Sudeste (51% do PIB do Brasil) tenha *caido* alegados 0,7% em 2017. Lamentável que o expediente de inflar essas estimativas para acomodar as despesas na aprovação do orçamento sempre se revelaram fabricação grosseira mas brasileiro gosta de ser enganado, vide a “confusão” entre “ocupados” e “empregados”; manipulações com “MEis”, “înformais”, “nem-nem”, ainda que os dados do IBGE sejam claros, as “interpretações”, quando não reproduções abobalhadas de PR, são criminosas.

  8. Vai um aumento direto de impostos aí? Ou, pensando bem…
    que tal uma aumento INDIRETO de impostos DISFARÇADO pelo aumento de combustiveis, energia, medicamentos, enfim, dos preços “controlados”?
    O povo gado vai pagar feliz seja qual for a forma de extorsão e vai, como já foi dito, compreender

  9. È PRECISO DOBRAR ESSA META, VIU???
    .
    E DOBRAR TAMBÉM O NÚMERO DE DESEMPREGADOS, VIU???
    .
    QUE TAL MAIS UMA CONVERSA COM GILMAR PARA COLOCAR O BRASIL NOS TRILHOS….DA VENEZUELA?

  10. Não nos iludamos com a cifra “bilhões”.Esse estardalhaço falando em bilhões vem há pelo menos 15 anos. 99% da população não consegue quantificar o valor(inclusive eu).É só conversa mole.Vamos lá: ORÇAMENTO GERAL UNIÃO 2018 R$-3.500.000.000.000(3,5 trilhões).Cortem (cortar, nada de Contingenciar,) 20% dessa esbórnia toda por conta de desperdício, malversação, corrupção e de reavaliação de custos: IPAM- Incentivo ao Parlamentar Moderno, IFPUM Incentivo ao Funcionário Publico Moderno = R$-700.000.000.000 (setecentos bilhões).O TITANIC já deu água.FFAA já Art.142 ou qualquer outro.STF peça ajuda ao ST Militar.

  11. kkkk …… quem vai pagar o rombo ? O povo como sempre, A nossa economia foi destruída em nome das” boas intenções” de combate a corrupção feito por ” patriotas” a defender na verdade interesses estrangeiros. Triste ver a história sempre se repetir.

  12. Urge discutir o tamanho e a remuneração do corpo de funcionários públicos e questionar a necessidade de estatais onde a iniciativa privada é mais eficiente. Fugir desse debate, por receio de enfrentar poderosas corporações, é contribuir para inviabilizar o funcionamento da máquina estatal.
    .
    A captura do Estado por interesses alheios aos do cidadão resulta em situações como a da Amazonas Energia. Distribuidora da Eletrobrás que dá mais prejuízo, aquela empresa paga salário médio de R$ 15,5 mil, o maior do País no setor. Já a distribuidora de Roraima, embora seja a mais ineficiente de todas, oferece salário médio de R$ 15 mil.
    .
    A função primordial dessas estatais não é distribuir energia da forma mais barata e eficiente possível, e sim empregar e bem remunerar funcionários públicos.

  13. É fácil entender a dificuldade para privatizar a Eletrobrás. Os opositores invocam argumentos nacionalistas e dizem defender os direitos dos trabalhadores. Na realidade, trata-se da conhecida mobilização sindical para a manutenção de feudos privilegiados.
    .
    Os servidores ainda querem mais benefícios antes da privatização. São concessões que nenhuma empresa privada faria: estabilidade de 5 anos para 70% dos funcionários, além da realocação dos servidores em outras estatais. Esse caso serve como exemplo do divórcio litigioso entre o funcionalismo público e a realidade.
    .
    A essência do problema – a existência de uma categoria de brasileiros imunes às vicissitudes do mercado de trabalho e quase sempre dispensados de demonstrar eficiência, embora muito bem remunerados – permanece intocada.

    1. pensa melhor sobre o que é entregar uma estatal brasileira a outra estrangeira https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/22/actualidad/1524369210_961863.html