Crédito barato: uma pregação de fé

Ilan Goldfajn, presidente do BC, soou quase como um pregador tentando reanimar a fé de suas ovelhas, quando se referiu às medidas para reduzir o famigerado spread bancário – aquele que, somado aos juros básicos elevados, catapulta os juros ao consumidor para 400%, no caso do crédito rotativo, entre outros exemplos.

Em suas palavras, é preciso ter “serenidade e persistência” para que o custo do crédito caia “de modo sustentável”. É o mesmo que “perseverar na causa.”