Delfim Netto parou de pedalar

Delfim Netto disse há pouco, em Campos do Jordão, que o “limite de sua tolerância” com Dilma Rousseff foi quando o governo transformou a dívida pública em superávit primário:

“Ali eu parei. Era inútil”.

Nem Delfim Netto resistiu às pedaladas fiscais.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200