Dilma quer gastar

O déficit primário em 2016 será de 0,5% do PIB.

Diz o Valor:

“É a primeira vez na história contemporânea que um governo não consegue fechar as contas para o exercício posterior e apresenta um projeto de lei com desequilíbrio fiscal”.

Mas é ainda pior do que isso.

Na reunião de ontem, segundo a reportagem do jornal, Dilma Rousseff não apenas desautorizou Joaquim Levy, que defendia um corte no gasto público de 15 bilhões de reais, como insistiu em aumentar a despesa em 11 bilhões de reais, “para não perder sua base social e política de apoio”.

Prepare-se: o Brasil vai ser violentamente punido pelo mercado financeiro.

Prepare-se


Faça o primeiro comentário