Em derrota de SP no Supremo, MS fica com ICMS do gás da Bolívia

Em derrota de SP no Supremo, MS fica com ICMS do gás da Bolívia
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Em derrota imposta ao governo paulista nesta quinta (22), o STF manteve com Mato Grosso do Sul a competência para arrecadar ICMS sobre o gás natural importado pela Petrobras da Bolívia.

A decisão também contraria os interesses de Rio Grande do Sul e Santa Catarina, que pediam para o Supremo reconhecer o direito a tributarem o gás natural comprado, alegando que a importação se consuma em seu território.

A maioria dos ministros, no entanto, entendeu que cabe a Mato Grosso do Sul recolher o imposto. Votaram nesse sentido o relator, Gilmar Mendes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Marco Aurélio Mello e Rosa Weber divergiram; Luiz Fux estava ausente, e Kassio Marques ainda não tomou posse.

São Paulo alega que deixou de arrecadar R$ 15 bilhões de 2006, quando o STF deu a primeira decisão liminar sobre o tema, até o ano passado.

 

Leia mais: O fim do "Jardim do Éden" no STF: vai ficar mais difícil para os réus da Lava Jato
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 5 comentários
TOPO