Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Equipe econômica é contra gambiarra no teto de gastos estudada pela ala política

Auxiliares de Bolsonaro esperam conseguir R$ 40 bilhões de espaço fiscal ao mudar período acumulado de inflação usado para corrigir as despesas públicas
Equipe econômica é contra gambiarra no teto de gastos estudada pela ala política
Foto: José Cruz/Agência Brasil

A ala política do governo quer mudar a regra de correção do teto de gastos e espera conseguir um espaço fiscal de R$ 40 bilhões para bancar o Auxílio Brasil. A norma em vigor determina que a despesa de cada ano deve se limitar à do ano anterior, corrigida pela inflação acumulada entre julho e junho. Os auxiliares de Jair Bolsonaro querem mudar esse período para o acumulado entre janeiro e dezembro. A equipe econômica é contra essa medida.

Segundo técnicos do Ministério da Economia ouvidos por O Antagonista, uma eventual revisão nas regras de cálculo do teto de gastos deve ser feita apenas em 2023, depois das eleições. Um deles disse que a melhor alternativa é uma autorização explicita na Constituição para que o governo gaste até R$ 30 bilhões fora do teto de gastos.

“O apetite dos parlamentares é incontrolável e qualquer mudança no teto seria uma sinalização ainda pior. No caso do auxílio emergencial, o Congresso autorizou um gasto fora do teto de R$ 40 bilhões. O mercado é muito purista nessa avaliação de que o governo desrespeita as regras fiscais. Ainda vivemos uma situação de dificuldade para os mais pobres, que ainda precisam de um benefício”, disse um assessor de Paulo Guedes.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....