Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Equipe econômica joga a toalha e não acredita na votação da reforma do IR em 2022

Paulo Guedes foi avisado por líderes do Senado que Angelo Coronel, relator da proposta , não está disposto a apresentar o parecer até o fim do ano
Equipe econômica joga a toalha e não acredita na votação da reforma do IR em 2022
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Hoje, a equipe econômica não acredita que o Senado votará a reforma do Imposto de Renda em 2022. Paulo Guedes contava com a aprovação da proposta para bancar o Auxílio Brasil. Sem os recursos que poderiam ser arrecadados com a tributação de dividendos, o ministro da Economia foi obrigado a engolir um programa social com valor médio de R$ 400, com R$ 30 bilhões de despesas fora do teto de gastos.

A equipe do ministro da Economia foi avisada por líderes do Senado que Angelo Coronel (PSD-BA), relator da proposta, não está disposto a apresentar o parecer ainda em 2022. O parlamentar tem confidenciado aos interlocutores que o projeto aprovado pela Câmara penaliza estados e municípios com redução de repasses da União.

As estimativas apresentadas pelo Ministério da Economia ao parlamentar e que circulam entre os gabinetes do Senado apontam que o projeto aprovado na Câmara resultará em perda de arrecadação de R$ 47 bilhões em 2022, R$ 26,5 bilhões em 2023 e R$ 32,1 bilhões em 2024. Com isso, os estados e municípios receberiam menos recursos em repasses da União.

Sem a reforma do IR, o governo depende da PEC dos Precatórios para bancar o Auxílio Brasil. Arthur Lira já sinalizou que vai tratorar a aprovação da proposta na Câmara, mas o Senado pode virar a última trincheira contra o populismo fiscal de Jair Bolsonaro, que só pensa na reeleição.

Rodrigo Pacheco  está com um pé no PSD de Gilberto Kassab, de olho em 2022, e não parece disposto a participar da farra bolsonarista.

Mais notícias
TOPO