ACESSE

Fraudes no coronavoucher ficaram em 25% do esperado, diz Caixa

Telegram

Pedro Guimarães, o presidente da Caixa, afirmou que o número de fraudes de documentos nos pedidos de auxílio emergencial de R$ 600, o “coronavoucher”, ficou abaixo do previsto pelo banco.

“O que nós fazemos, além do pagamento de 60 milhões de pessoas todos os meses, é a checagem de documentos. Fraudes de documentos, potenciais fraudes de documento, são evitadas pela Caixa Econômica”, afirmou Guimarães.

Segundo o presidente do banco, as irregularidades “minimizadas por toda essa questão dos aplicativos que nós colocamos. É muito difícil acontecer. Nós temos 25%, só, do que nós esperávamos de fraudes”.

Guimarães foi questionado sobre a reportagem do Valor que citava um estudo apontando que um terço das famílias das classes A e B pediu o benefício –e que 69% desses pedidos foram aprovados.

O presidente da Caixa afirmou que não cabe ao banco analisar se a pessoa tem ou não o direito ao auxílio, o que seria papel da Dataprev e do Ministério da Cidadania.

Leia também: EXCLUSIVO: MORO ATACA

Comentários

  • MARIA -

    QUE VERGONHA desse presidente da caixa. É um absurdo ouvir isso dele. Por isso que os bandidos fraudadores estão à todo vapor, incentivados, inclusive, por quem deveria combater essa enormes fraudes.

  • Petrus -

    Devia ter era vergonha de dizer isso. Como pode pegar o dinheiro suado do povo para fazer benesses . Bolsonaro a maioria dos seus eleitores está envergonhado com suas promessas não cumpridas.

  • Antonio -

    25% é pouco?

Ler 12 comentários